Carregando...

A crise no Brasil: como chegamos aqui e para onde vamos?

A crise no Brasil anulou o crescimento obtido ao longo desta década, e a economia brasileira voltou ao patamar em que estava em 2011. Como chegamos a este nível? Como saíremos desta crise? Estas são perguntas com várias respostas, mas todas elas têm um ponto em comum: a deterioração da economia potencializada pelo caos político.

O Brasil passou de um crescimento de 7,5% em 2010 para dois anos seguidos de queda em 2015 e 2016, algo que não acontecia com o PIB brasileiro desde 1930-1931. E não foi qualquer queda: 3,8% e 3,6% em 2015 e 2016, respectivamente. É fato que o Brasil já esteve social e financeiramente pior ao longo de sua história recente, mas esta é inegavelmente a maior recessão que o país já passou. 

Como chegamos a esta crise no Brasil?

A receita do crescimento econômico e distribuição de renda que o país passou ao longo da última década teve uma consequência fundamental para explicar a essência desta crise no Brasil: o endividamento da população. Com ele, veio a queda no consumo, crucial para tirar qualquer país de uma crise econômica a curto prazo. 

Além do endividamento da população, as finanças do governo também saíram dos eixos. O constante aumento do gasto público e a queda de receita causada por uma série de pacotes de isenção fiscal ajudou a estagnar a economia e levar alguns Estados ao caos organizacional. 

Todo este cenário econômico foi ainda mais agravado por uma crise política poucas vezes vista na história do país. Uma série de investigações que atingiram grande parte do alto escalão político e praticamente todos os partidos acabou acentuando uma situação que já era conhecida da imprensa e da população: a falta de apoio da ex-presidente Dilma Rousseff no Congresso Nacional. As brigas do jogo político entre os poderes Executivo, Legislativo e Judiciário paralisam quase que literalmente o país e, apesar do impeachment de Dilma Rousseff, pouca coisa mudou em todo este cenário. 

Como tirar o Brasil da crise?

Esta é a pergunta que todo economista sonha em ter a resposta na ponta da língua. Mas, ao que tudo indica, ainda não estamos próximos de enxergarmos esta luz no fim do túnel. Existem três pontos fundamentais para começarmos a mudar esta situação: a confiança do empresariado para voltar a investir, o acerto das contas públicas por meio de reformas fundamentais - como a tributária e política - e o respaldo da população para trazer novamente a estabilidade política que tomou conta do país nos últimos 2 anos - e que deve durar ao menos até as próximas eleições.


Como contar a crise ao longo das próximas décadas?

Explicar o Brasil do século XXI não é nada fácil. Analisar e projetar soluções para tudo isso deve ser o grande desafio de sociólogos, historiadores e, principalmente, economistas ao longo das próximas décadas. Se você quer encarar este desafio e entender melhor o nosso país, procure os cursos de Economia da ESAMC e ajude a contar essa história para as próximas gerações.